Epichurus

Natação e cia…

Delay Faístico Bauruíba

“Faísca” é um dos apelidos de um amigo nosso, peitista curitibano que não vou citar o nome, que recebeu tal alcunha de uma mãe da arquibancada ao sair atrasado para a prova dos 100 peito no JD de 1986 na qual era favorito mas acabou com o bronze apenas. Pois bem, o Faísca costuma apresentar delays (atrasos) muito grandes nas respostas aos nossos emails, o que gerou então a caracterização do termo “delay faístico”.

Pois bem, os (cerca de três) leitores atentos do Epichurus já perceberam que quando é dia do post de segunda feira do Munhoz, o post vem com um delay faístico, daí o título deste.

Tudo isso para dizer que: o post do Munhoz atrasou, mas sai entre hoje à noite e amanhã, se a saúde dos trigêmeos continuar ótima, claro.

Enquanto isso, fiquem com a foto oficial do churrasco de encerramento do ano PEBA, realizado em Itu. De fome o pessoal não morre!

Dá um time de fora. De fora mesmo.     (foto de Rodrigo Munhoz)

Dá um time de fora. De fora mesmo. (foto de Rodrigo Munhoz)

Sobre rcordani

Palmeirense, geofísico e nadador master peba.

10 comentários em “Delay Faístico Bauruíba

  1. Lelo Menezes
    3 de dezembro de 2012

    Faltou mencionar os fantásticos haikais, que em conjunto com os delays faísticos tornam a leitura de seus posts, uma prazerosa experiência

  2. rcordani
    3 de dezembro de 2012

    Nosso amigo faísca poderia contar detalhes aqui sobre essa prova de 100P no JD 1986 hein?

  3. Péterson Júnior
    3 de dezembro de 2012

    Caros, não sei se este post é o lugar certo, ou mesmo se há um lugar certo para isso.
    Gostaria apenas de aproveitar a oportunidade para parabenizá-los por este excelente blog, que já está nos meus favoritos desde que comecei a acompanhá-lo(pouco depois dele ter sido criado). Muito legal ver o ponto de vista de ex-atletas, acompanhar as histórias(do lado A e do lado B) e as reflexões pertinentes. Posts como a incrível saga dos 200Peito e reflexões como “Faltou acreditar…” estão em destaque aqui nos meus favoritos.
    Além disso, é muito interessante constatar o quanto nadadores de diferentes níveis tem muito em comum. Posso dizer que eu, sendo um ex-atleta PEBA nível Ultra-Master++, me identifiquei muito com alguns posts aqui, como as histórias do lado B, a felicidade relativa das conquistas, o esforço nos treinos para alcançá-las e as amizades feitas através do esporte.
    Enfim, sou um dos que esperam ansiosamente pelos posts de segunda e quinta, e espero acompanhá-los por muito mais tempo.
    Grande abraço!

    • Lelo Menezes
      4 de dezembro de 2012

      Muito obrigado Peterson! A idéia era fazer um blog diferente dos blogs informativos que existem por aí! Legal que o pessoal ta curtindo! Daqui a pouco novo texto do Munhoz!
      Abraços

    • rcordani
      4 de dezembro de 2012

      Péterson, obrigado pelo simpático comentário! Sim, o fato de os nadadores de diferentes níveis terem muito em comum é o que torna os relatos individuais interessantes.
      Na hora da prova, ali em frente da baliza, é tudo muito parecido: um sujeito botando à prova tudo o que treinou e tentando obter suas metas pessoais, desde o Ricardo Prado até o mais peba dos sujeitos!

  4. Fernando Cunha Magalhães
    4 de dezembro de 2012

    Caros amigos,
    não sei qual é a mãe que estava na arquibancada e assistiu ao lamentável delay da final dos 100 peito do JD86, fato é que se ela chamou ali o LAM de Faísca, não foi a primeira.

    Estávamos no torneio Banco Republica em Montevideo, não sei se 84 ou 85. A piscina coberta, de 25m, tinha um poço de saltos na cabeceira dos blocos de partida e era mais rasa na cabeceira oposta. A partida era dada por duas madeiras, que eram unidas na base por uma dobradiças – “a su puestos” – ordenava una vieja, meio que dando un espuerro nos atletas e na sequência vinha uma raquetada que ecoava por todo o ambiente.

    Naquela época, LAM já era especialista em sair atrasado e não surpreendeu na reação, porém surpreendeu ao submergir a ponto de quase sumir na escuridão do poço de saltos – “cadê o LAM???” – grita um companheiro na arquibancada… “LAM??? cadê o Faísca” rebate outro imediatamente enquanto nosso amigo completava a filipina disposto a recuperar o tempo perdido e a turma rolava de rir.

    A alcunha pegou. Lembro do Tite, Newton e outros chamando-o assim e ele inclusive assinou a pranchinha de isopor. Erro estratégico pois acabou internalizando e certamente tornou a tarefa de superar essa dificuldade, mais desafiadora.

    Em dez86, LAM classificou em 1o. Infelizmente grudou no bloco na final. Foi um choque pra mim. “Ah Faísca” – ouvi. Mas aí não ouve risos, apenas olhares incrédulos. Ele saiu no gás e passou voando por todos, porém a prova já estava comprometida. Travou. O 1.08.90 das eliminatórias seria suficiente para o bronze na prova vencida – acredito que pelo Vicente com, acredito, 1.08.72 – acho que ele fez 1.09.16, alguns centésimos atrás do Coelho, se não me engano Alexandre, do MTC.

    Ali ficou o ouro no JD, a convocação para o sulamericano e o provável patrocínio da Mesbla.

    Quando Cordani contou a saga dos 200 peito, num dos comentários ele mencionou a 2a maior tragédia da carreira dele. Estou certo que essa foi a 1a.

    • Lelo Menezes
      4 de dezembro de 2012

      Na quinta meu post será sobre o Júlio Delamare de 86, coincidentemente também minha 1ª “tragédia”!

      Quanto a prata, quem era esse Coelho? Tinha um nadador de peito que chamava Alexandre Mota se não me engano! Não foi esse? O Renato deve saber…

      • Fernando Cunha Magalhães
        4 de dezembro de 2012

        Sim, o próprio, e ele foi bronze.
        Sobre o apelido, deve ter feito algum parcial inconsequente num 200 peito e após a travada ficou com essa referencia, somente para a equipe do CC.
        A prata não mencionei, foi do Mineiro.
        LAM ficou em 4o, o metal que levou pra CWB foi conquistado nos 200 peito.

    • rcordani
      4 de dezembro de 2012

      Muito bom Esmaga. Quem passou a informação sobre o apelido ter sido dado no JD de 1986 foi a porção solemios do phutada (Cheiroso). Excelente a trajetória do Faísca, com muitas vitórias e derrotas, bastante similar à minha! Tenho certeza que o sr. vai dedicar um post caprichado ao mesmo futuramente.

  5. Pingback: 2014 é ano de Copa e de Epichurus às segundas. « Epichurus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 3 de dezembro de 2012 por em Cenas....
Follow Epichurus on WordPress.com
dezembro 2012
S T Q Q S S D
« nov   jan »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
%d blogueiros gostam disto: