Epichurus

Natação e cia…

Um Ensaio Peba – para a Copa e para Epicuro.

O dia não havia começado muito auspicioso: Duas visitas ao Poupatempo de Santo Amaro por conta de uma CNH perdida, greve dos metroviários causando transtornos gerais, manifestações do MTST, chuva persistente e mais um recorde de congestionamento para a história da nossa mal tratada cidade. Um daqueles dias em que o Paulistano se pergunta o que ainda estaria fazendo aqui…

Tudo isso me fazia questionar seriamente se tinha sido boa a ideia de incluir esposa e três filhos de 5 anos nos planos de assistir o último amistoso do Brasil antes da Copa. Os desafios eventuais seriam: Fugir do transito, evitar possíveis passeatas na região do Morumbi e chegar a pé no jogo, com a turma inteira. O clima esquisitão pré Copa já mencionado pelo Renato aqui, era contudo a minha principal barreira a ser superada. Como não obtive ingressos para os jogos do Mundial, essa era a minha chance torcer ao vivo pela seleção de Neymar, Fred, Hulk e cia. Adicionalmente, esta será a primeira Copa na memória das minhas crianças e eu queria que fossem boas memórias.

De qualquer forma, nossa aventura naquele dia tinha riscos e motivações interessantes. O que me tranquilizava, contudo, era que um monte de Pebas amigos e suas famílias estariam lá também. A caminho do Morumbi, sob chuva e cruzando com boa parte das 67 mil pessoas que estavam prestes a encher o velho estádio, comecei novamente a questionar a sanidade daquilo. Fiquei pensando em quantas baixas teríamos naquela tarde. Será que o pessoal se animara mesmo para ver uma possível despedida da seleção do glorioso, porém ultrapassado estádio Tricolor? Esperava que sim. Esses eventos ficam bem melhores quando nos cercamos de amigos.

Não sei se foi a curiosidade sobre o entrosamento da “família Felipão”, a proximidade da Copa – depois de sete anos de preparação, ou alto preço já pago pelos ingressos, mas fiquei feliz de ver que nenhum dos que estavam fechados, afinou para o programa indígeno-futebolístico. E, sem ver protestos ou violência, chegamos ao camarote da Penalty uma hora antes do apito inicial, molhados pela chuva, mas inteiros e seguros. Não sei se na Copa que começa em 4 dias vai ser assim para os compradores dos 2 Milhões de ingressos da FIFA, mas se mantiverem o mesmo tipo de organização, vai ser tranquilo. Acho.

Para que conste: O jogo foi duro. Meio feio até. Primeiro tempo tenso de doer. Sérvia fechadinha, grande, marcadora. Nossos jogadores escorregando no gramado molhado e errando chutes. Nenhuma jogada memorável pra mim e nenhum gol. E o segundo tempo, que foi melhor, ainda foi sofrido. Mas pelo menos o Fred marcou aquele gol. Mais um gol sentado, por sinal… sofrido, como foi aquele dia e o jogo. Eu acabei comemorando duas vezes, pois achei que o gol do Hulk tinha valido e fui na onda da galera. Quase tomei um pescotapa. No fim, ficou mesmo no magrelo 1×0. Tudo bem que ganhar de 1 é bem melhor que perder, mas eu esperava um pouco mais de superioridade no placar. O paulistano, que sofreu para chegar no jogo (e, diga-se de passagem, é chato) pelo jeito também esperava mais… Meio babaquice vaiar e pedir o Luis Fabiano (apesar de bom jogador) numa hora dessas. Ainda que ninguém o diga, acho que pega mal e não ajuda em nada.  Me chame de piegas ou de conservador, mas penso que vaiar a presidente, tudo bem, mas atacar a seleção em pleno jogo, não dá.

Ainda assim, achei que a experiência toda valeu a pena: Um bando de amigos num ambiente emocionante, torcendo juntos, sofrendo juntos e comemorando juntos, como bons epicuristas. Não muito diferente de uma competição de natação, apesar da ausência do cheiro de clora. Por fim, meus filhos viram a seleção jogar pela primeira vez e ganhar (ninguém se perdeu e se comportaram bem). E até aparecemos na TV juntos. Um bom dia de aquecimento dos Pebas para a Copa em casa, que documentei com fotos.

É preciso que se diga que meu momento de criticar a decisão de trazer a Copa no Brasil já passou faz uns 7 anos.  Enquanto continuo criticando o que vejo de errado (inclusive na preparação para esta Copa e para as Olimpíadas de 2016), não vejo problemas em torcer pelo hexacampeonato. Já comentei aqui que eu não conseguiria deixar de torcer e me acharia hipócrita se tentasse – por mais preocupado esteja com o futuro do país e com as eleições vindouras.

Então, desejo para todos, torcendo pela seleção brasileira ou não, que aproveitem esse momento histórico no país em boa companhia. E quando acordarmos no meio do mês que vem, hexacampeões ou não, espero que aprendamos algo de tudo isso.

 

 

 

 

 

Sobre Rodrigo M. Munhoz

Abrace o Caos... http://abraceocaosdesp.wordpress.com

45 comentários em “Um Ensaio Peba – para a Copa e para Epicuro.

  1. Miyahara
    9 de junho de 2014

    sensacional!!!

  2. rcordani
    9 de junho de 2014

    Boa Munhoz. Concordo que (1) o tempo de ser contra a Copa no Brasil já passou e (2) vaiar a seleção durante o jogo e ainda pedir jogador que não pode mais ser convocado o cúmulo.

    E as fotos estão tóis, até troquei o cabeçalho do site.

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de junho de 2014

      Valeu, Renato. O clima melhorou bastante, mas acho que ainda está meio estranho… Mas o que importa agora é… vamos ver no que vai dar nesse bholão!

  3. Juliano Almeida
    9 de junho de 2014

    ótimas fotos !! Brasil Hexa e PT fora !!!! GRANDE ABRAÇO A TODOS OS SWIMMERS

  4. rbonotti
    9 de junho de 2014

    Ainda que ninguem o diga o catzo. Eu abafei o grito de “Luis Fabiano” na hora com um: “Bando de cabaço, vamo torçer pra seleção!!!”. 3 minutos depois: gol do Fred

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de junho de 2014

      Champs, não notei o seu “abafo” (deve ter sido meio fraco), mas lembro de suas críticas ao Salsa no fim do jogo. O Fred respondeu as vaias colocando a mão no ouvido logo em seguida, ao fazer o gol… Me pergunto se aquilo o motivou ou chateou (ou os dois?). De qquer forma, nossos moleques adoraram a bagunça hein e isso valeu muito! Abratz!

  5. Ruy Araujo
    9 de junho de 2014

    Agora sim.
    Antes de mais nada gostaria de agradecer o Dudu que conseguiu comprar os ingressos no camarote da Penalty para 40 pessoas entre amigos e familiares, tornando o evento muito legal tanto para os adultos que se confraternizaram como para as crianças que brincavam (e torciam) juntas.
    Falando do jogo, eu não sei se era o clima de festa mas achei que as vaias foram bem poucas e somente uns são paulinos que resolveram gritar Luis Fabiano em um momento mas me pareceu que era apoio total para a seleção. Não esperava muito do jogo por ser amistoso na véspera da Copa.
    Acho que fazia uns 5 anos (para não dizer 10) que não ia a um estádio de futebol e digo uma coisa:
    Assistir pela primeira vez na vida um jogo da seleção em estádio é muito bacana. Assitir com seu filho de 4 anos é emocionante. Assitir com filho e amigos de longa data é duca….
    Que venha a Copa!!!!
    PS: Vou torcer para o Brasil (quem não vai?) mas não vou coloca-lo como campeão no bolão.

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de junho de 2014

      Boa Rrrruy! Note-se que o Dudu mesmo (infelizmente) não apareceu por ali… acho.
      Precisamos ter disciplina e fazer mais desses programas, colocando os Pebinhas na aventura.
      Quanto a não apostar no Brasil no Bholão… faça me um favor, hein? tsc tsc tsc…

  6. politicasocial
    9 de junho de 2014

    C.Q.D. há sei lá quantos anos: abrigar um evento desses em nosso país é sensacional. Vcs vão negar até sei lá quando, o que chega a ser engraçado. Mas quem se importa? Aproveitem 🙂

    • kikimori
      9 de junho de 2014

      WordPress não me identificou aí em cima, mas óbvio que sou eu 🙂

      • Rodrigo M. Munhoz
        10 de junho de 2014

        Oi Kiki! Vai ser sensacional sim: Copa é sempre um espetáculo legal, até quando acontece do outro lado do mundo. E é mais legal quando o Brasil ganha. Dessa vez o espetáculo é em casa e – na minha opinião – ia ser muito mais legal se tanto dinheiro não tivesse sido desperdiçado e certas coisas que beneficiariam o evento + população tivessem ficado prontas.
        Querer o melhor é torcer pelo país também… e como eu disse aí em cima, a hora é pra isso mesmo:
        Vamos torcer!
        Abratz!

  7. Fernando Cunha Magalhães
    9 de junho de 2014

    Muito legal Munhoz!
    Certamente, esse dia ficará gravado na memória das crianças.
    #VAIBRASIL

  8. Lelo Menezes
    10 de junho de 2014

    Boa Munhoz! Eu tive que trabalhar então não deu pra ir no jogo, mas deve ter sido bem legal! Quanto ao Brasil, sempre torci muito e continuarei torcendo com Copa aqui ou acolá. Particularmente acho legal que o evento seja aqui. Algo único! A lástima não é sediar o evento, mas sim construir estádios por pura politicagem em Manaus, Cuiabá, Natal, e Brasília. A lástima é não ter cumprido grande parte das promessas de melhoria de infraestrutura para a população que viriam com a Copa. Tirando isso, é torcer como nunca pro Brasil, afinal a seleção não tem culpa pelos nossos governantes.

  9. Ruy Araujo
    10 de junho de 2014

    Kiki. Torcer para a seleção brasileira, independente do lugar que ela jogue é uma coisa. Sediar a copa do mundo é outra coisa e acho que se fizessem uma enquete com os torcedores presentes no estádio, a maioria esmagadora seria contra o país sediar a copa.
    Se é tão bom, gostaria que a Dilma abrisse a Copa com um discurso mostrando todas as “virtudes” desse evento para o Brasil e esperasse a reação do público. Afinal essa vai ser “a copa das copas”.

  10. kikimori
    10 de junho de 2014

    Ruy, Ruy, por razões óbvias, o governo não controla o preço dos ingressos. Lei da oferta e da procura. Então é também óbvio que quem paga pra entrar ou está nos camarotes dos patrocinadores é justamente quem critica o governo. Mas ver todos vibrando na Copa só me traz alegria.

    Sobre outros comentários: aqui em Brasília, em um ano, o novo estádio já somou um público de mais do que a metade do que teve nos CINQUENTA ANOS anteriores. Jogos de futebol dos times com as maiores torcidas lotam: Flamengo, Santos, Botafogo, Vasco, São Paulo, até do Curínthians (que não é a maior torcida aqui). E inúmeros shows grandes rolaram desde então, muita coisa que antes nem passava pela cidade: Beyoncé, Aerosmith, Stevie Wonder. Fora a infra do aeroporto, que ficou excelente, e os acessos a ele.

    Aqui a Copa realmente deixa um ótimo legado. O que corrobora minha opinião de que é fundamental desconcentrar ao máximo as oportunidades de desenvolvimento pra diminuir as desigualdades regionais, inclusive na Copa. Pena que não dava pra ter 27 sedes e quem nem todos os governos estaduais e municipais conseguiram entregar a tempo tudo o que previam. O essencial pro evento está pronto e vai ser mais fácil encontrar um brasileiro rico do que um turista gringo reclamando de alguma coisa

    • laurivalshita
      10 de junho de 2014

      Cara Sra.Mori,

      A sua mensagem tem tantos problemas de lógica que me faz questionar se você realmente existe ou se esta mensagem é fruto de um MAV.

      Vou assumir que você existe e que é mais ou menos letrada, desculpe se errei em algum dos dois pontos, mas vamos ao que interessa.

      1) O governo controla o preço da gasolina, da energia elétrica e poderia controlar o preço dos ingressos se quisesse.

      2) O preço dos ingressos da Copa não é determinado pela lei da oferta e da demanda pois não são vendidos via leilão e sim via sorteio pois a demanda é muito superior à oferta neste determinado preço.

      3) Ver todos vibrando traz alegria para todo mundo, não que isto tenha alguma coisa a ver com sediarmos a Copa.

      4) Não vou conseguir comentar o segundo parágrafo pois me parece impossível alguém defender a construção mais cara e com pior custo/benefício destes jogos como o Mané Garrincha, leia um pouco como foi financiado este estádio para não passar vergonha no futuro próximo. Só uma dica, o custo financeiro deste estádio é de R$ 120 mi/ano e o custo de manutenção deste estádio é de R$ 35 mi/ano. Com todos estes “eventos” que você mencionou a receita não vai chegar a R$40mi/ano.

      5) Pelo que entendi do seu terceiro parágrafo você acha importante “desconcentrar ao máximo as oportunidades de desenvolvimento”, só não entendi o que isto tem a ver com construir estádios. Será que você está dizendo que um estádio é um projeto para fomentar desenvolvimento é isto? Tipo assim, na sua cabeça um estádio é como uma estrada?

      6) “O essencial pro evento está pronto” fala sério, então o clima é ir para o estádio de jumento?

      Na verdade é tanta bobagem junta que vou ter que pedir a ajuda do Melvin Udall para comentar:
      “Where do they teach you to talk like this? In some Panama City “Sailor wanna hump-hump” bar, or is it getaway day and your last shot at his whiskey? Sell crazy someplace else, we’re all stocked up here.”

      Te peço um favor, o objetivo deste site é ter discussões de alto nível, se você quiser participar é bem vinda mas por favor não venha nos ofender com este discurso de supletivo barato, para fazer isto você certamente vai encontrar outros fóruns mais adequados.

      Atenciosamente,

      Laurival

      • mpacheco1
        11 de junho de 2014

        Realmente defender o Mane Garrincha como bom investimento foi de matar. Ainda dizer que foi ‘pena nao ter 27 sedes’ foi duro tambem.
        Menas, Kiki, menas!!

        pacheco

      • rbonotti
        11 de junho de 2014

        Calma Laurival, a Kiki soh pode estar sendo ironica em todo texto dela.
        Nao eh possivel q ela ache uma pena nao ter tido 27 sedes!!!! hahahaha, ela nao eh ignorante ao ponto de achar q o dinheiro para construcao dos estadios esteja parado, sobrando em algum lugar…
        Ela nao pode estar esquecendo que, se os estadios tiveram que ser construidos com recurso publico (ao contrario do que foi prometido pelo governo) eh porque eles sao inviaveis financeiramente!! Justificar a construcao do estadio de Brasilia (cujo custo exorbitante vc ja expos acima) com meia-duzia de shows, e alguns jogos de times grandes que soh ocorreram la porque os estadios destes times estavam em reforma pra Copa, eh obvio que eh uma grande piada da parte dela!!!!
        Pra frente Brasil, pra Cuba PT!

      • kikimori
        11 de junho de 2014

        Gente, eu também amo vcs, viu? Bom, minha posição política e sobre a realização dos grandes eventos no Brasil é de conhecimento de todos aqui. Quem chegou depois ou não prestou atenção à época pode usar a busca ali no canto superior direito.

        Quando o tema é política, minha posição SEMPRE é diferente de todos. Cada posição política encontra os argumentos que quiser para se defender. Pra quem clama pelo alto nível, os meus argumentos e dados favoritos sobre a Copa estão aqui: http://institutoalvorada.org/copa-para-todos-2/

        Sobre o Mané Garrincha, os jogos dos times de fora daqui foram baseados em pesquisa – um censo sobre torcedores/torcidas do DF – para direcionar o que atrai mais público. O estádio foi construído com critérios de sustentabilidade o que, se não interessa a vcs, a mim interessa. Por exemplo, tem captação da água da chuva para abastecer suas instalações e vai ter paineis solares pra gerar energia. A sobra de energia gerada será vendida pra CEB.

        Mas o principal, queridos hommus economiccus, é ter um estádio decente na capital do país, pra que pessoas sejam felizes nos usos que se fizerem dele. O torcedor do Flamengo ou de qq outro poder ver o time dele jogar. Milhares de pessoas poderem ver shows que só iriam para São Paulo. Ou ver a Copa, que só iria pra 8 cidades. O que o mercado não quer, o poder público pode fazer pelas pessoas. Mordam-se de raiva se não gostam deste papel do Estado.

        Vcs vão sempre olhar o custo-benefício em termos financeiros e ficar aí esperneando. Eu sempre vou preferir ver o custo-benefício para as pessoas.

        Desejo ainda assim que vcs curtam a Copa e sejam felizes. Irônico é ver o quanto vcs conseguem continuar reclamando e, ainda assim, curti-la. Acho divertidíssimo 🙂

      • rcordani
        11 de junho de 2014

        Legal Kiki, ao menos você confessou que os elefantes brancos serão deficitários e que o governo federal não está preocupado com a economia. Já é um bom começo para o início de uma discussão saudável!

        Volte sempre!

  11. Luiz Alfredo Mäder
    10 de junho de 2014

    Prá Frente Brasil, Salve a Seleção

  12. Ruy Araujo
    11 de junho de 2014

    Kiki. Respeitar a opinião política de uma pessoa, coisa que o PT não gosta de fazer, é uma coisa. Propaganda política é outra.
    Gosto muito de você mas acho lamentável você colocar um link com os “argumentos” apresentados pelo governo federal e aparentemente sem nenhum espírito crítico de sua parte. Todos que te conhecem sabem que você é uma pessoa do bem e muito inteligente. Não quero ficar discutindo posição política aqui até porque realmente não tem muito a ver mas esperaria um pouco de isenção de sua parte nos comentários.

  13. kikimori
    11 de junho de 2014

    Rê, torço para que não sejam elefantes brancos e sei que há esforços para que não sejam. O que é difícil para vcs entenderem é que considero importantíssimos legados que dificilmente serão mensurados, como eu também disse anos atrás: a experiência concreta, e que vai ficar na memória, de cada um que participou, vibrou, curtiu uma Copa em seu País. Esse daí não tem fórmula nem planilha que dê conta. Vai ser único e marcante para cada um que puder viver a experiência da Copa em São Paulo, Brasília, Manaus, Natal, em todas as cidades sede e por onde mais os desdobramentos se alastrarem. Por isso, para mim é um prazer vê-los vibrando com a Copa no Brasil, como eu achava que ia acontecer sei lá quantos anos atrás. Curtam bastante, com a “isenção” e “espírito crítico” que vcs preferirem.

    • Rodrigo M. Munhoz
      11 de junho de 2014

      Kiki, lembre-se que “torcer” para algo acontecer não ajuda muito (o velho ” Hope is Not a Strategy”). Os estádios já foram pagos e superfaturados e continuarão gerando despesas para os cofres públicos, enquanto coisas mais importantes não foram feitas. Os estádios já geraram, contudo, alegria para os empreiteiros e para sei lá quem;;;e poderão até gerar muita alegria (difícil de medir mesmo) para a população que puder ir aos shows e jogos nas regiões, mas duvido que mude a vida de muita gente. Vamos vibrar com a Copa, com certeza, mas não vamos esquecer disso. De qualquer modo, desejo a vc e aos teus que também curtam a Copa – acho que pelo menos nisso estaremos do mesmo lado. A não ser que vc tenha apostado na Argentina no bolão…:-)

      • kikimori
        11 de junho de 2014

        Sobre o “superfaturamento”, para a Copa, todos os órgãos de fiscalização montaram grupos específicos: CGU, TCU e MPF, além das Câmaras Temáticas de Transparência que incluem entidades da sociedade civil, como OAB e CREAs, em cada cidade-sede. Os resultados dos trabalhos qualquer um pode ver aqui: http://www.portaltransparencia.gov.br/copa2014/noticias.seam.

        O tempo para comprovação de irregularidades ainda não terminou, mas nenhuma obra pública ou privada jamais foi monitorada com uma lupa tão grande como essas da Copa. Se alguém acha que todas essas instituições são muito incompetentes, qualquer cidadão pode pedir ao órgão responsável e receber exatamente a informação que pediu com base na Lei de Acesso à Informação. Então, se foram superfaturadas, que se investigue, denuncie e comprove, até que se puna quem efetivamente roubou. Até o momento, as suspeitas de irregularidades levantadas ainda não chegaram aí. Se for para chegar, que cheguem.

        A minha torcida é para que os estádios gerem suas próprias receitas porque isso permite novas oportunidades de desenvolvimento econômico para as regiões onde estão instalados. E não é uma torcida baseada no vento – ela existe porque vejo esforços verdadeiros neste sentido sendo feitos pelos gestores das arenas. Prefiro acreditar que terão algum grau de sucesso, como o que tenho visto, sentido e experimentado no Mané Garrincha. O que parece haver, principalmente dentre pessoas que não moram nas regiões onde esses estádios foram construídos, é uma torcida pelo insucesso. Isso é triste, achar que determinadas regiões/cidades/territórios estão fadados ao fracasso.

        O que desejo é um Brasil em que não exista a absurda disparidade socioeconômica entre as regiões que vemos hoje, e que geralmente servem de base para que se defina que só os lugares que já têm mercado desenvolvido recebam os investimentos. É óbvio que a Copa sozinha não é capaz de promover a redução das desigualdades regionais. Mas a forma como foi montada contribui para dinamizar as cinco regiões. Melhorou significativamente os aeroportos. Para o turismo, tem impactos de mais longo prazo. A Austrália passou a receber cinco vezes mais turistas por ano depois da Olimpíada e manteve esse patamar.

        “Ah, mas é a Austrália”. Quando estive lá para a Olimpíada, ainda tinha criança que morria de catapora no meio do deserto. Tinha um montão de ratos revirando lixo nas ruas de Sydney. Tinha um preconceito enorme contra os aborígenas em um monte de lugares. Teve três ameaças de bomba no venue em que trabalhei. E o governo tentava passar uma lei para favorecer financeiramente as (poucas e extremamente ricas) pessoas que tinham filhos em escolas privadas. Cada país tem os seus problemas, o evento não está lá para resolvê-los, mas pode ser direcionado para melhorar algumas coisas.

        Sobre o que realmente muda a vida das pessoas, muitas coisas estão sendo feitas. Posso falar de um monte delas e vcs vão me encher dizendo que é propaganda do governo. Querem mesmo que eu comece? 😉

    • laurivalshita
      11 de junho de 2014

      Cara Srta. Mori,

      Meus colegas de blog me informaram que você é uma funcionária pública e foi casada com o atual ministro da saúde. Imagino então que você esteja ocupando um dos famosos cargos de confiança e nada mais natural defender o “legado” da Copa afinal trata-se de uma questão de sobrevivência você provavelmente sabe que se a atual presidenta não for reeleita você provavelmente vai sofrer as cosequências.

      Imagino que a perspectiva de ficar desempregada neste momento em que a economia patina e a inflação teima em flertar com o teto da banda seja aterrorizante e posso me solidarizar com isto.
      O que não consigo me solidarizar é com uma funcionária pública que fica por duas horas vendendo sensações e sustentabilidade de estadio público num blog em pleno horário comercial. Me diga uma coisa, hoje é day off ou parte do seu job description é ficar vendendo legado em blogs de opinião ?

      atenciosamente,

      Laurival que já entendeu a “posição política” da companheira

      • kikimori
        11 de junho de 2014

        Obrigada por ofender minha competência profissional, caro desconhecido que já trabalhou inúmeras vezes comigo e me conhece profundamente para afirmar o que afirma. Inclusive acha que levo duas horas para escrever um post e que trabalho 12 corridas, sem intervalo nem para almoço. Até onde lembro, era quem defendia uma discussão de alto nível aqui neste blog. Beijinho no seu ombro, docinho de coco.

      • laurivalshita
        12 de junho de 2014

        Cara Srta.Mori,

        Em nenhum momento eu ofendi a sua competência profissional, não existe demérito algum em ser uma das 22,000 pessoas a ocupar cargos de confiança no governo federal.

        Você inclusive, como explicou acima, usa o seu tempo privado para defender as decisões de seu empregador. Que chefe não gostaria de ter uma funcionária assim ?

        Demérito tem uma presidenta que contrata este exército de pessoas e entrega um serviço público não satisfatório para 72% da população.

        Pense nisto.

        atenciosamente,

        Laurival

      • kikimori
        12 de junho de 2014

        Minha impressão é de que vc tenta me desqualificar como interlocutora. Deve ser difícil mesmo acreditar que alguém que cresceu em círculos de convivência tão parecidos tenha a pachorra de querer se colocar de maneira diferente do esperado. “Se é amiga dos meus amigos, e meus amigos pensam como eu, então ela só pode defender o governo porque depende economicamente e é ex mulher de alguém”. O primeiro argumento me ofende porque eu trabalho por um projeto de país, não para um empregador. Poderia estar inclusive ganhando muito melhor se trabalhasse na iniciativa privada. O segundo argumento me ofende porque é machista. Como se aquilo que sou ou que qualquer mulher é dependesse do cônjuge, presente ou passado.

        De qualquer forma, a população está corretíssima em querer melhores serviços. Eu, além de querer, trabalho diariamente por isso. Colocar na conta da Presidenta serviços que são de responsabilidade direta de Estados e municípios é desconhecer a estrutura federativa. Mas é claro que mesmo quando não são de sua responsabilidade direta, o governo federal tem atuado fortemente na melhoria de educação, saúde, mobilidade, segurança pública, infraestrutura logística. Criou diversas formas de viabilizar por exemplo escolas, creches e unidades de saúde pra que isso não dependa exclusivamente da capacidade de execução dos entes federados, que obviamente continuam fundamentais pra que o serviço se viabilize.

        Também há serviços de responsabilidade direta do governo federal. O que mais melhorou na gestão Lula-Dilma foi o atendimento do INSS, em que os gestores, servidores concursados que ocupam cargos comissionados, foram lá pras filas ouvir a população, entender os problemas e trabalhar de todas as formas para resolvê-los. Conseguiram e seguem acompanhando para manter o bom nível do serviço.

        Mas como ninguém está aqui para convencer, nem para ser convencido/a, pouco importa. Só me divirto mesmo. Que role la pelota!

      • laurivalshita
        12 de junho de 2014

        Cara Srta. Mori,

        As suas idéias são péssimas, você tentar defender o Mané Garrincha dizendo que inclusive vão vender energia elétrica produzida pelos paineis solares é quase criminosa.

        Acontece que em momento nenhum eu ataquei a sua pessoa, o fato de ter sido ex-mulher de um ministro não foi usado para expressar preconceito mas sim para mostrar que você deve ser uma funcionária publica importante.

        Acho bastante relevante a diferença de uma funcionária publica de carreira e de uma funcionária publica em cargo de confiança, parece que você concorda com esta diferença ao afirmar que trabalha por um projeto de país e não um empregador. Como disse inúmeras vezes eu respeito isto.

        Também não entendo o porque fui machista, mas isto não importa, o que importa é que se você quiser debater idéias será sempre bem vinda, mas se quiser ficar jogando pedra em avião vou daqui por diante optar por ficar fora da discussão.

        atenciosamente,

        Laurival

      • kikimori
        12 de junho de 2014

        Pois é. Como vc mesmo disse, pense nisso. E curta a Copa que está demais!! Espero poder te dar um abraço e um beijo no ombro dia desses. Pra ver se vc entende que são pessoas de carne e osso aquelas nas quais vc exerce suas habilidades interpessoais. Vai, Brasil!

      • laurivalshita
        15 de junho de 2014

        “Discutir com petista é como jogar xadrez com pombo. Ele vai derrubar as peças, cagar no tabuleiro e sair de peito estufado cantando vitória” – João Luiz Woerdenbag Filho popularmente conhecido como Lobão

      • kikimori
        15 de junho de 2014

        Cara, como diz um amigo, “gets gooder and gooder” a tua gentileza. Mas fica tranquilo que, se o teu herói é o Lobão, tá me prestando homenagem, além de me esclarecer mais um pouquinho sobre o doce de pessoa que vc é. Nossas premissas são opostas. A forma a partir da qual vc vê o mundo é oposta à minha. Vc prefere chamar sua visão de mundo de “verdade”. Eu prefiro chamar a minha de visão de mundo mesmo. Mas tá bom, tá bom. Se isso te deixa feliz, a verdade é sua, todo mundo aqui concorda com vc e discorda de mim, todo mundo aqui é antipetista e eu sou petista, então pode ficar bem feliz. Aliás, pede pra professora colar uma estrelinha no teu caderno. Eu, sabedora de tudo isso, só entrei originalmente nesse post do Munhoz pra dizer pra galera curtir a Copa, independentemente das divergências que temos sobre a realização do evento — que está absolutamente sensacional. Bora ver Argentina X Bósnia que todo mundo ganha mais.

      • laurivalshita
        16 de junho de 2014

        “Meu partido
        É um coração partido..
        Meus heróis morreram de overdose
        Meus inimigos estão no poder
        Ideologia
        Eu quero uma pra viver” – Cazuza

        A propósito, quem são seus heróis?
        José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha ou vai de Delubio Soares?

        Pelo ritmo de seus argumentos vamos ver quanto tempo vai demorar para eu invocar a lei de Godwin.

      • laurivalshita
        16 de junho de 2014

        A propósito fui verificar a sua afirmação:

        “Eu, sabedora de tudo isso, só entrei originalmente nesse post do Munhoz pra dizer pra galera curtir a Copa, independentemente das divergências que temos sobre a realização do evento — que está absolutamente sensacional.”

        O seu primeiro post foi:

        “politicasocial
        9 de junho de 2014 • 22:24
        C.Q.D. há sei lá quantos anos: abrigar um evento desses em nosso país é sensacional. Vcs vão negar até sei lá quando, o que chega a ser engraçado. Mas quem se importa? Aproveitem 🙂

        Seguido por:
        kikimori
        9 de junho de 2014 • 22:28
        WordPress não me identificou aí em cima, mas óbvio que sou eu :)”

        Ou seja, mais uma mentira… Começar uma frase com CQD não pode ser considerado um convite, pelo menos no mundo das pessoas normais.

        Fora o fato que você deve ter entrado pelo usuário chapa branca, o tal do “politicasocial” e depois veio com este papo furado que o “WordPress não me identificou aí em cima” – Mais uma mentira.

        Not that I am keeping score

        Nem vou ficar bravo por você ter se confundido e usado o usuário chapa branca pois desta vez você não entrou no horário comercial.

        att.

      • kikimori
        16 de junho de 2014

        Olha como vc tem sempre razão. Obrigada por me lembrar. Entrei originalmente porque fiquei (positivamente) surpresa com o post que mostrava pessoas felizes curtindo a pré-Copa e se mostrando propensas a curtir a Copa. Algumas dessas pessoas tinham se colocado contra a realização do evento no Brasil anos atrás. Eu sempre fui a favor e foi divertido lembrar. Mas fiquei realmente feliz de ver todo mundo se dispondo a não deixar de participar dessa experiência única, já que ninguém aqui era vivo há 64 anos. E isso é o que fica dessa conversa toda pra mim: felicidade. Sobre o ‘politicasocial’, era uma página associada ao meu login da época do doutorado. Apareceu ali ao postar o comentário sem eu me dar conta. Esses papos até me fazem lembrar de umas leituras daqueles tempos: Kuhn, Feyerabend, Foucault… Mas principalmente Rorty. Boa Copa, meu querido.

      • laurivalshita
        24 de junho de 2014

        Cara Srta. Mori,

        Você me parece uma pessoa bem intencionada e estudada, ótimo o país precisa disto.
        Gostaria de te dar um conselho não solicitado que vai lhe ser muito útil.
        Acho que você deveria se abster de defender o indefensável, tem tanta coisa boa que o PT fez, como o bolsa família, o Enem, o mais médico, foque sua militância nisto e não faça como seus companheiros que tentam pintar um país que não existe. A mentira tem pernas curtas e memória longa. Eu por exemplo nunca vou conseguir desassociar a Srta. da sua defesa absurda do Mané Garrincha, que nas suas palavras “vai ter painéis solares para gerar energia. A sobra de energia gerada vai ser vendida pra CEB.”
        Outro exemplo é com explicar filosoficamente a aliança do PT com Paulo Maluf?
        O tempo certamente vai lhe dar uma perspectiva mais ampla sobre o mundo e você certamente vai notar que o mundo é mais complexo do que o nós contra eles. Pense no que deve ter sentido o filósofo da Alemanha Oriental quando viu ruir o muro de Berlim…

        Att.

      • laurivalshita
        2 de outubro de 2015

        Cara Srta. Mori,

        Hoje por acaso me deparei com os seus posts e me veio uma duvida, já abandonou o PT ou continua botando a sua mão no fogo pela turma ?

        atenciosamente,

        Laurival seu amigo que te avisou antes

  14. Luiz Alfredo Mäder
    11 de junho de 2014

    tem quem aposte na Argentina no Bolão?

  15. Pingback: Pebas na Copa 3 – Pebas dentro e fora de campo no Mineirão « Epichurus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Follow Epichurus on WordPress.com
junho 2014
S T Q Q S S D
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
%d blogueiros gostam disto: