Epichurus

Natação e cia…

Pebas Fugindo das Ilhas: Uma visão da linha d’água

Esta é a única prova de natação que conheço que consegue invocar tantos  adjetivos  femininos positivos.  Alguns exemplos que ouvi de amigos e desconhecidos  “charmosa”, “belíssima” e até “gostosa”. Esta beldade das águas abertas chama-se “Fuga das Ilhas” e acontece todo ano (ou quase) na praia da Barra do Sahy, município de São Sebastião, em São Paulo.  Neste fim de semana passado, os PEBAS estavam lá para conferir. LAM, Bonotti e eu nos animamos meses atrás e fizemos a inscrição pela internet,  esperando fazer, pelo menos parcialmente, um percurso aquático que fizemos muitas vezes quando ficávamos hospedados no Sahy.

O pequeno conjunto de ilhas, peculiarmente conhecido por “As Ilhas” compõe um dos cenários mais bonitos do litoral norte e é um ponto de parada obrigatório para lanchas da região. Distando pouco menos de uma milha náutica da praia, a ilha de areias branquinhas também atrai nadadores faz muito tempo.  Mais de 20 anos, no meu caso, quando em fins de semana fora de temporada, dava uma nadadinha dessas só pra relaxar.  Mais tarde, entre amigos, passávamos fins de semanas prolongados por ali e fazíamos a travessia de ida e volta calmamente, por pura diversão, às vezes levando um frisbee, uma máscara de mergulho, ou um cara mais Peba que a gente.  Dessa vez, estaríamos lá pela primeira vez para competir de verdade. E não estávamos sós: Mais de 2500 pessoas resolveram fazer a mesma coisa. Nunca vi tanta gente junta naquela prainha!

Mas não havia sido tão simples assim: O mar havia ficado agitado nos dias anteriores e as ondulações talvez atrapalhassem a logística da prova, pois dependíamos de escunas para levar os concorrentes até a ilha (daí o nome da prova, sacaram?). Havia até boatos de cancelamento nas redes sociais… Na verdade, quando chegamos na praia  de Camburizinho no dia anterior, até ficamos impressionados com a altura das ondas. Um certo Peba, até mais zeloso pela segurança, nem logrou passar a rebentação , colocando em risco seu ranking no campeonato mundial de jacaré – não que isso mereça algum demérito. Fomos dormir na expectativa,  ouvindo o som das ondas ao longe e torcendo meio ambiguamente por sucesso no dia seguinte. Poucas (nenhuma?) competições na piscina trariam esse tipo de imprevisibilidade, causada pela natureza. Na minha opinião, quando perto do mar, qualquer esporte se apequena.

Na manhã seguinte, enfrentamos o congestionamento e a superlotação da praia e nos juntamos ao Peba honorário Mathias Becker, meu companheiro de seleção no Sulamericano de Maldonado (‘87) – há muito abduzido pelo universo corporativo, mas atualmente em grande forma – apesar do pouco sol – e treinando 3x/semana. Legal nadar de novo com o cara depois de quase 25 anos! Circulamos entre barracas de academia e conhecidos, como o Patrick Winckler, Samuel Tocalino, Fernando Dab Dab, Murilo Ragozzino e outros que certamente estavam lá no meio daqueles milhares de pessoas, mostrando o potencial de atração de provas de águas abertas hoje em dia. Na areia, ficamos conversando e nos preparando por horas… e aqui vale uma nota: a Acqua Sphere teve a (ótima) idéia de emprestar como ‘teste” oclinhos para a prova – o que para mim veio bem a calhar! Fui lá e escolhi um, já que näo estava achando que os meus estavam aptos para o experimento do dia. Usei e gostei muito do modelo “grandão” para nadar no mar um pouco mais agitado.

Mas antes da travessia, ainda teríamos que pegar as escunas que nos levariam para a largada. Oito escunas fariam o serviço. O LAM estava na escuna 3 e o resto de nós, na 4. Infelizmente, a Escuna 4 ainda deve estar a deriva em algum lugar do litoral brasileiro… Pelo que nos disseram, ela quebrou e deu um “no show”. Tivemos que esperar a escuna 2 voltar e só então, seguimos – para desespero do LAM, que, nas Ilhas, já havia tomado 8 copos dágua e não via o tempo passar…  junto de mais umas 1000 pessoas  da nossa bateria… Foi mal aê. Mas o sofrimento sob o sol não durou muito mais: Depois de 5 minutos da chegada da turma da escuna 4, foi dada a largada.

E assim, meu mais recente experimento epichurístico teve seu início oficial… Há tempos planejei que iria nadar a prova com uma pequena câmera filmadora GoPro na cabeça, com o objetivo de registrar a prova do ponto de vista exato de um nadador e o clima de uma pequena e simpática travessia entre amigos.  Provavelmente o aparato iria tornar minha performance ainda mais Peba, mas isso era irrelevante. Essa prova é muito legal e eu queria registrar para a posteridade essa conquista, ainda que fosse apenas para terminar.

Na minha opinião, deu certo, apesar do resultado da filmagem ser sofrível, como vocês podem conferir aqui nesse post.  Contudo, essa levemente nauseante, inédita e não editada sequência de imagens representa fielmente a visão de alguém nadando a prova.  Destaque para a largada aos 6min e a chegada aos 33min do filme, com direito a um pequeno jacaré na espuma e a corridinha que não deu…  Ainda que você nunca tenha nadado uma travessia, dá pra perceber que, mesmo com o mar meio mexido, essa Fuga é bem agradável. No fim, meu resultado foi mais ou menos: 26’19 e ainda não entendi a classificação na categoria, pois apareço em 2o no 35-39, sendo que já tenho mais de 41. Pelo menos fiquei ligeiramente na frente dos meus amigos Pebas: Becker 26’54, Bonotti 28’37 e LAM 30’17. Todos terminaram cansados, mas felizes. No resumo, a musa das travessias nos tratou direitinho.

Sobre Rodrigo M. Munhoz

Abrace o Caos... http://abraceocaosdesp.wordpress.com

26 comentários em “Pebas Fugindo das Ilhas: Uma visão da linha d’água

  1. Lívia Gonçalves
    9 de dezembro de 2013

    Que legal, parabéns amigos…gostei do artigo, mas me digam, quem é LAM ? não identifiquei, forte abraço
    Lívia

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Oi Livia, obrigado pelo comentário!
      O LAM é o Luiz Alfredo Mader, ex integrante da MDP (Máfia do Peito) de Curitiba. Também responde pela alcunha de faísca… Abraços!

  2. Samuel Tocalino
    9 de dezembro de 2013

    Munhoz, legal ter visto você ontem!
    Eu até que fui razoável: 28’52, chegando em 7o no 40+ e 60o no geral. No meio de tanta molecada, eu gostei!!
    Abs

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Oi Samuel! Eu também achei bom: Parabéns! Foi boa a prova e nem apanhei tanto na largada, como seria de se esperar… Difícil era ver o pórtico de chegada com as ondulações… Dei uma sorte danada, mas ainda não me entendi com os resultados do site… numa hora estou em 1o, noutra estou em 2o ou 5o…geralmente na categoria errada… Mas de qualquer jeito, valeu!

  3. rbonotti
    9 de dezembro de 2013

    Boa Munhoz!
    Ano que vem estaremos lá novamente!
    Ótimo evento, muito legal. Foi minha primeira travessia competitiva no mar e me surpreendi positivamente. O principal foi passar o final de semana com a galera na praia, mas a prova também foi bacana e sobretudo não comprometeu a curtição do resto do domingo!

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Valeu Bonotti! O fim de semana foi sensacional! Calor, praia e uma nadadinha com os amigos. Nada mal, realmente. Agora o transito da volta me dá um certo bode… Nada que me impeça de voltar no ano que vem, claro! abraços!

  4. Marcelo
    9 de dezembro de 2013

    muito bacana Pebas. Estou livre para voltar aos treinos de natação, quem sabe ano que vem encaro o desafio. Agora seu estilo 2×1 me deixou tonto no video! parabens pelos resultados.

    Abs

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Que bom Abdo! Os Pebas te aguardam!
      Sobre a respiração 2×1… não tem jeito! Seria isso ou 1×1 🙂
      E esqueci de recomendar um Dramin antes do filme…
      Abraços!

  5. rcordani
    9 de dezembro de 2013

    Munhoz, o video está meio tremido! Volta lá e faz o trajeto com mais calma!

    Quanto aos tempos, muito pebas… de qualquer forma, parabéns aos quatro.

    • rbonotti
      9 de dezembro de 2013

      O nível dos jacarés em Camburizinho foi bem mais alto

      • Rodrigo M. Munhoz
        9 de dezembro de 2013

        Capitão… campeonato de jacaré neste verão em Camburizinho, com patrocínio da Fox, fechou?

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Valeu, Renato. Sabe que eu preferiria fazer o trajeto mais na boa, mas tava vindo uma galera em cima, que deu medo… Sobre a necessidade de estabilização de imagem, eu pensei em usar uma GallusCam (http://www.youtube.com/watch?v=IX8sP_JMIC8 ), mas fiquei com receio de ser desclassificado ou tomar uma multa da polícia ambiental. Abraços!

      • Luiz Alfredo Mader
        9 de dezembro de 2013

        esta GallusCam é a última palavra em tecnologia, deve ser caríssima, acho que precisaremos de patrocínio da FOX para ter uma na equipe PEBA

  6. Gustavo Pedrazzi
    9 de dezembro de 2013

    Essa travessia é bem legal Munhoz, e o mar – com certeza – bem mais tranquilo que 3 semanas atrás….espero que tenha pego meu kit…rsrsrs….parabéns a todos!

    • Rodrigo M. Munhoz
      9 de dezembro de 2013

      Valeu, Pedrazzi! Estranhamos sua ausëncia nessa… Não pegamos seu kit, pois nem suspeitávamos que vc iria dar um perdido… mas no ano que vem tem mais! Abrtz!

  7. Simoen Kashima
    9 de dezembro de 2013

    Rodrigo, que legal! queria muito ter feito esta travessia! ano que vem estou aí! beijao

    • Rodrigo Munhoz
      10 de dezembro de 2013

      Bom te ver por aqui, Simone! Bota a Fuga das Ilhas nas resoluções de ano novo e vambora! Beijos!

  8. Becker
    10 de dezembro de 2013

    Munhoz,
    Foi um grande prazer encontrar vocês (vc, LAM e Bonotti), poder me alinhar numa largada com todos (ha 21 anos que nao o fazia) e curtir uma travessia fantástica com os amigos!
    Parabéns pela idéia da filmagem!
    Agradeço também pelo título de peba honorário. Agora tenho responsabilidade aumentada!
    Grande abraço,
    Becker.

    • Rodrigo M. Munhoz
      10 de dezembro de 2013

      Igualmente, meu caro amigo. Agora não podemos esperar mais 21 anos pra fazer isso de novo… é capaz de não nos reconhecermos 🙂 Em 2014 tem mais.
      Abraço!

      • Fernando Cunha Magalhães
        13 de dezembro de 2013

        Farei meu comentário por aqui, na sequencia das palavras do meu amigo Beckerman.
        Fiquei muito feliz em vê-lo de volta em uma prova na água.

        Munhoz,
        belo texto, fotos e vi os pontos principais do vídeo.
        Fiquei meio tonto, preciso ir dar uma volta…

  9. Sidney N
    10 de dezembro de 2013

    Caramba, 2500 participantes?! Não sabia que as águas abertas atraiam tanta gente assim.

    Em todas as minhas resoluções de ano novo incluo uma travessia. Infelizmente como outros itens da lista a promessa acaba não sendo cumprida. Deve ser o trauma de nadar qualquer coisa que seja mais de 100m…

    Abraços

    • Rodrigo M. Munhoz
      10 de dezembro de 2013

      Eu também não tinha ideia, Sidney! Até assustei quando vi o mundaréu de gente na praia. Acho que o combo local bonito + travessia curta acaba sendo muito atraente.
      Sobre as ravessias de 2013… você ainda tem uns dias para checar mais esse item da lista e acabar com o trauma! Tá valendo!

  10. Lelo Menezes
    11 de dezembro de 2013

    Excelente Munhoz! Pela filmagem deu pra perceber que você tava voando! Esse final de semana eu nadei oficialmente 14 metros na piscina do Jardim Lambreta que estava com água gelada mas refrescante devido ao calor. Quem sabe ano que vem estarei com vocês ai! Agora, não entendi muito bem a largada! Cada um podia sair a hora que quisesse?? Me lembro das travessias de Santos quando saiamos da balsa e 1000 neguinhos pulavam de uma boa altura ao mesmo tempo com chance de 56,78% de alguém quebrar a coluna cervical do outro…

    • rbonotti
      11 de dezembro de 2013

      A largada era dada por uma sirene (vc não ouviu?).
      Apenas o local da largada era um pouco flexível… Não existia uma linha, vc podia largar com água no peito ou fora d’água. Nós chegamos na última escuna e nem saímos da água, largamos de dentro do mar

  11. Marcio Ramos
    11 de dezembro de 2013

    Show de bola Munhoz, sou professor do Becker… A natação nos proporciona essas coisas, reencontrar velhos e novos amigos…
    Abraço

    • Rodrigo M. Munhoz
      12 de dezembro de 2013

      Valeu Marcio! Legal te conhecer no Sahy durante a espera pela escuna 4!
      Já que vc é bem conectado com o esporte e travessia, vê se chama os Pebas pra as próxima . Bom trabalho com o Becker!
      Abraço !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 9 de dezembro de 2013 por em Epicuro, Natação, PEBAs, Travessia.
Follow Epichurus on WordPress.com
dezembro 2013
S T Q Q S S D
« nov   jan »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
%d blogueiros gostam disto: