Epichurus

Natação e cia…

1989 – O Finkel que não terminou.

Aquele domingão ensolarado em Santos, primeiro de julho de 1989, ficou marcado na memória de todos os nadadores competitivos da época. Se você nasceu entre 1965 e 1974 (approx) e ainda nadava, e sobretudo se você ia nadar a final aquele dia, você deve se lembrar EXATAMENTE do momento em que foi avisado que as finais da terceira e última etapa não ocorreriam.

A delegação do Paineiras (CPM) saiu como de praxe do Hotel Avenida às 14:40, com todas as malas, entrou no ônibus e seguiu pela av. da praia, com alguns meliantes jogando bexiguinha de água nos transeuntes. Chegamos na porta do Internacional como sempre por volta das 14:50, e aí estranhamente o Willian pediu para esperarmos um pouco no ônibus que ele ia ver uma coisa. Eu fiquei um pouco irritado com isso, uma porque no dia dos 200 Peito eu já ficava normalmente irritado com qualquer coisa, e outra porque eu não queria me atrasar para o aquecimento. O Nenê, nosso outro técnico, ficou na porta para conter o ímpeto da moçada. Sei lá quanto demorou, mas depois de um certo tempo voltou o Willian, que fez um aceno cúmplice com a cabeça para o Nenê e pediu silêncio, silêncio esse que naturalmente não foi dado, mas que após um pedido mais veemente (grito) aconteceu.

Aí o Willian disse: “gente, é importante o que eu vou dizer agora, nós estamos indo para São Paulo, uma nadadora do MTC está com meningite e isso é uma coisa muito séria, com saúde não se brinca, e para minimizar qualquer possibilidade de contágio a competição foi dada como encerrada. Acabou.“

A nossa reação não foi assim propriamente de forma articulada,  mas basicamente a gente falou “ok, Willian, bela piada, haha, conta outra, mas agora não é hora de brincadeira, dá licença, vamos logo que já estamos atrasados”.  Eu me lembro nitidamente de pensar “putz, que má hora para uma piada”, e já ia me dirigindo à porta quando o Nenê reiterou em altos brados.

“Senta todo mundo de volta. É verdade, não vai ter competição. Acabou.”

Olhamos de novo para o Willian que teve que confirmar a informação mais umas quarenta e sete vezes antes de dizer para o motorista ir diretamente para São Paulo. Demorou um certo tempo para cair a ficha, até a gente perceber que realmente não íamos nadar as finais. Atônitos, fomos mesmo para São Paulo (e se não estou enganado assistimos “Corra que a polícia vem aí” no Shopping iguatemi).

Eis os balizamentos das provas que nunca ocorreram e meus comentários abaixo.

Balizamento da Final A dos 200 Peito Masc
Raia 1- Ricardo Benasayag AACSC
Raia 2- Vicente Pinho de Mello ECP
Raia 3- João Fernando Lourenço de Almeida CRSG
Raia 4- Alexandre Hermeto CRF
Raia 5- Cicero Torteli CRF
Raia 6- Luiz Alfredo Mader CC
Raia 7- Marcelo Menezes CPM
Raia 8- Renato Cordani CPM

Para a minha pessoa, que iria nadar os 200 Peito na raia 8, o prejuízo foi relativamente pequeno. Eu honestamente falando dificilmente iria ganhar uma medalha, mas foi engraçado verificar que nos meses seguintes parecia que todo mundo tinha soltado e ia ganhar essa final que não ocorreu. Nessa prova, a vitória do Hermeto parecia mais provável, mas do segundo (Cícero, que havia ganho os 100 peito) ao oitavo (eu mesmo), todos estavam separados por 1.5s apenas. Eu ouvi em ocasiões diferentes de quase todos eles, Cícero, Vicente, LAM, Benasayag e Menezes (popular Lelo) que haviam soltado de manhã e tinham muita bala para a final. O único que não me disse isso foi o João Fernando, mas esse eu também nunca mais vi, pois esse Finkel foi sua última competição. Eu não sei se cheguei a dizer o mesmo a eles, mas, se cheguei, confesso agora que era mentira: eu tinha ido 100% de manhã.

Balizamento da Final A dos 100 Costas Masc
Raia 1- Ricardo Chercanovic MTC
Raia 2- Rogério Romero CG
Raia 3- Vladimir Leite Ribeiro MTC
Raia 4- Henrique Americano de Freitas ECP
Raia 5- Cristiano Azevedo MTC
Raia 6- Edilson Silva Jr CRF
Raia 7- Leonardo Gomes CC
Raia 8- Fabrizio Perricone CRF

Os 100 costas deixaram meu amigo Henrique Americano de Freitas (popular Banana) com um gosto amargo: apesar do Recorde Brasileiro obtido de manhã, não teve a chance de tentar o ouro nesse que seria infelizmente seu último Finkel. Ouro esse que não seria fácil, pois o Vlad havia voado nos 200 costas e o Cristiano Azevedo também não estava para brincadeira, isso sem contar o já finalista olímpico Romero, o veloz Edílson e o jovem Leonardo Gomes (popular Cheiroso, que tinha acabado de fazer 15 anos). Lembrando que, na época, em costas tinha que bater a mão antes de dar a virada.

Balizamento da Final A dos 400 Livre Masc
Raia 1- Carlos Alberto de Souza Barros ECP
Raia 2- Cassiano Leal ECP
Raia 3- David Ferreira Castro CPM
Raia 4- Cristiano Michelena CC
Raia 5- José Rodrigo Messias CPM
Raia 6- Marcelo Grangeiro CPM
Raia 7- Luis Osorio Anchieta Neto ECP
Raia 8- Amaury Alcantara CRSG

Os 400L de manhã tinham sido um show à parte. Na tentativa de alcançar o Curitibano (que liderava a competição), Alberto Klar ligou para São Paulo, tirou o Luis Osório da aposentadoria, e este, mesmo sem estar treinando direito, foi convencido a raspar e acabou pegando Final A, junto com outros dois pinheirenses (Carlos Alberto – popular Fralda – e Cassiano) e três do Paineiras (Messias, Grangeiro e David). O fundista santista Amaury e o favoritíssimo ao ouro Cristiano Michelena (popular Castor) completavam a série. (Aliás, nessa competição, Castor só não fez chover, ganhou até os 200 medley!)

Balizamento da Final A dos 200 Borboleta Masc
Raia 1-Renato Ramalho CC
Raia 2- Leonardo Braune CRF
Raia 3- Emmanuel Nascimento MTC
Raia 4- Daniel Sperb MTC
Raia 5- Maurício Cunha TCC
Raia 6- Roberto Fiúza Neto CRF
Raia 7- Ricardo Moita ALBB
Raia 8- Marcelo Hassimoto ECP

Nos 200 Borbola o favorito era o Daniel Sperb, que tinha feito de manhã quase um segundo a menos que o Maurício Cunha, o qual tinha ganho os 100 borbola. Emmanuel (Manú) era o bronze mais provável, em uma possível disputa com o Fiúza.

Balizamento da Final A dos 50 Livre Masc
Raia 1-José Geraldo Moreira Filho CRF
Raia 2- Fernando Cunha Magalhães CC
Raia 3- Jorge Fernandes CRF
Raia 4- Gustavo Borges ECP
Raia 5- José Carlos de Souza JR ECP
Raia 6- Roberto Clausi Jr CC
Raia 7- Jefferson Mascerenhas ALBB
Raia 8- Henrique Americano de Freitas ECP

Os 50m Livre teriam na raia 4 um jovem talento do Pinheiros, um tal de Gustavo Borges, que não pôde tentar o ouro na final que não houve. Gustavo era o único atleta mais alto que o Banana, que era até então o mais alto, motivo pelo qual o mesmo passou a chamá-lo de “Pirulito”. Durante os regionais do primeiro semestre de 1989 (ano que Borges começou a aparecer) ouvi de um conceituado  técnico: “esse cara nada muito bem em curta pois é enorme, quero ver ele na longa no segundo semestre…”. O técnico era muito bom, mas o palpite, como vimos depois, foi “lapidar”! Voltando à prova, Banana e JR tentariam junto com o tal Pirulito segurar a força de Fernando Magalhães (popular Esmaga), que havia batido o recorde brasileiro dos 100 Livre e estava confiante em derrotar os paulistas e obter preciosos pontos para o Curitibano, o que não ia ser fácil, pois os olímpicos flamenguistas Jorge Fernandes e Zé Geraldo também estavam na prova. Clausi Jr (popular Tite) também defenderia as cores verdes curitibanas e o gigante Jefferson Mascarenhas completava a série.

Pódium do 4×100 Livre masculino. Ouro para o Curitibano com Castor, Tite, Esmaga e Ramalho. Prata para o Flamengo com Zequinha, Jorge Fernandes, Rebollal e ??. Bronze para o ECP com Henrique de Freitas, Fralda, JR e Gustavo Borges.

Não comentei os resultados femininos por puro desconhecimento do que poderia acontecer, mas juro que não penso como o Piu-Piu, para quem as provas femininas só serviam para os homens descansarem…

…mas tenho a nítida impressão que a Anna Paula Fumis talvez seja a única que gostou do cancelamento, pois iria nadar os 400 Livre e os 200 Borbola!

Abaixo os balizamentos femininos da final que não houve. Volto depois.

Balizamento da Final A dos 50 Livre Fem
Raia 1- Paula Aguiar CTC
Raia 2- Raquel Finizola CRF
Raia 3- Monica Rezende MTC
Raia 4- Isabele Vieira ECP
Raia 5- Paula Marsiglia CPM
Raia 6- Iara Scarpelli ECP
Raia 7- Ana Catarina Azevedo MTC
Raia 8- Debora Manzano ECP

Balizamento da Final A dos 400 Livre Fem
Raia 1- Erika Gimenez CRSG
Raia 2- Roseli Pardelli CPM
Raia 3- Beatriz Lages MTC
Raia 4- Patricia Amorim CRF
Raia 5- Christiane Fanzeres CRF
Raia 6- Carla da Rocha CRF
Raia 7- Anna Paula Fumis ECP
Raia 8- Mirian Arthur CG

Balizamento da Final A dos 200 Borbola Fem
Raia 1- Daniela Lavagnino CRF
Raia 2- Angela Tupynamba MTC
Raia 3- Sandra Hassimoto ECP
Raia 4- Celina Endo MUN
Raia 5- Christiane Fanzeres CRF
Raia 6- Raquel Lima e Silva MTC
Raia 7- Anna Paula Fumis ECP
Raia 8- Cristiana Melo ECP

Balizamento da Final A dos 200 Peito Fem
Raia 1- Glycia Lofego CNRAC
Raia 2- Valeria Paiva MTC
Raia 3- Ana Julia Borel CC
Raia 4- Tatiana Vaño  Minguez ECP
Raia 5- Miriam Gomes MTC
Raia 6- Sandra Soldan CRF
Raia 7- Luciana Barbosa MBCT
Raia 8- Debora Manzano ECP

Balizamento da Final A dos 100 Costas Fem
Raia 1- Isabele Vieira ECP
Raia 2- Monica Rezende MTC
Raia 3- Cristiane Santos CG
Raia 4- Ana Catarina Azevedo MTC
Raia 5- Renata Carneiro CC
Raia 6- Celeste Moro CC
Raia 7- Claudia Mara Wilson MTC
Raia 8- Patricia da Costa GNU

Os resultados completos (incluindo as duas primeiras etapas, e com a etapa de domingo contando apenas com os tempos da manhã) podem ser visualizados clicando na imagem abaixo. O Munhoz já disse que doa essa medalha de prata dos 100 Peito dele para quem levá-lo ao Nordeste.

Resultados do Finkel 1989 publicados no jornal “4 Bordas” do Adolfo Deluca e com edição de Everton Domingues.

A contagem geral por equipes.

A disputa por equipes estava sensacional, como lembrou o Romero nesse post recente. Ao final da segunda e penúltima etapa, o  Clube Curitibano estava 134.5 pontos na frente do Flamengo, e logo em seguida o Minas e o Pinheiros bem na cola. Qualquer um dos quatro podia ganhar. Neste último dia, o Pinheiros tinha mais gente na final A (19), contra 15 do Flamengo e Minas, e apenas 8 do Curitibano, mas o CC contava (além da boa vantagem que tinha na pontuação) com um quase garantido recorde de Michelena nos 400 Livre  e uma repetição da atuação de gala nos revezamentos 4×100 4 estilos (havia ganho os 4×100 Livre Masc e Fem) para tentar  o título. Dos quatro que estavam nessa disputa, certamente o trauma paranaense foi o maior, pois os outros três clubes já ganharam vários Troféus José Finkel. Entretanto, para o Clube Curitibano talvez tenha sido a única e melhor chance, desperdiçada. Que eu saiba nunca mais chegou perto.

Esmaga e Castor, dois dos principais destaques do líder CC. (fotos de Everton Domingues)

Nunca saberemos o que iria acontecer, mas a especulação é livre! Se você esteve em Santos nesse Finkel, conte para a gente: onde você estava quando te avisaram que não ia ter a final? Qual foi a sua reação?

Só não vale dizer que soltou de manhã, hein? 🙂

Sobre rcordani

Palmeirense, geofísico e nadador master peba.

74 comentários em “1989 – O Finkel que não terminou.

  1. Alvaro Pires
    8 de setembro de 2012

    Eu me lembro de jogar bola, fazer um belo gol e achar otimo jah q estava fazendo figuracao no finkel. Qto ao 4o integrante do flamengo parece ser o Babalu (Edmundo Jinkings) mas nao tenho certeza. Lembrou dos detalhes meu caro Renato, bacana. ab

    • Fernando Magalhães
      9 de setembro de 2012

      Analisando a foto, acredito que o 4o homem do FLA era o Eduardo Berendonk.

      • Alvaro Pires
        10 de setembro de 2012

        Bom meu caro Esmaga eu acho q nadei o B do Fla c o Berendonk neste finkel mas nao tenho certeza. Eh mais provavel q seja o Babalu ou o irmao dele Paulo Jinkings. Pelo tempo (ruim, apesar da colocacao 2o eu e 3o Beren) q fizemos em longa no Tancredo Neves de Goiania logo depois acho isso. De qq forma tenho falado c ele ultimamente (inclusive estivemos juntos fim de semana passado) e vou perguntar p tirar a duvida. gr ab

      • Fernando Magalhães
        10 de setembro de 2012

        Então deve ser o Paulo mesmo, que havia ficado com a prata nos 50 livre no TB do início do ano.

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Apura aí para eu corrigir o post.

  2. Lelo Menezes
    8 de setembro de 2012

    Excelente lembrança embora nao traga boas recordações. Eu estava no mesmo ônibus e me lembro de ter ficado bem chateado! Eu estava confiante numa medalha e não, eu não soltei de manhã, mas também não tinha ido 100%. Acho que o Mineiro (Hermeto) levaria o ouro, mas o resto tava bem aberto! Em minha defesa, 6 meses antes eu tinha levado o ouro nos 200m peito no Júlio Delamare e 6 meses depois eu ficaria com o bronze na mesma prova no Troféu Brasil, então acho que é razoável que eu continue sonhando que eu sairia daquele Finkel com uma medalhinha no bolso! Já que a prova nunca aconteceu, sonhar é tudo que me resta… Rsrsrsrs!

  3. rmmunhoz
    9 de setembro de 2012

    Grande memória, Renato! Pra ser sincero, eu lembro que não me importei muito com o fim precoce da competição. Acho que o Moita e o Jefinho do Luso ficaram mais chateados – enquanto eu já estava pronto pra voltar pra casa, pois não estava bem naquele fim de competição. A medalhinha dos 100 peito tinha sido de ótimo tamanho (nadando a 100%, claro!). Abraços!

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Munhoz, o sr. devia estar se preparando adequadamente para o 4×100 4 estilos, com Fabricio Pedro, o Sr., o Moita e o Jefferson. Como assim “não estava bem”? Aquela prata foi de sorte então? Bem que o Sr. disse que a doaria para quem o levar ao NE!

      • rmmunhoz
        10 de setembro de 2012

        Como diria o Pacheco, “tudo na vida é sorte”… Mas também acredito que a sorte favorece aqueles que se preparam melhor, sacou? Abraços!

  4. Marina Cordani
    9 de setembro de 2012

    Confesso que fiquei feliz ao ver que o Renato consultou uma notícia de jornal para os balizamentos, pelo menos. Essa memória é irritante!

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Marina, eu já ia escrever sobre esse Finkel, colocaria a série dos 200 peito, falaria algo sobre os 100 Costas e 400 Livre e ponto. Mas aí achei o recorte com os resultados e o post mudou completamente. Veja que não foi preciso muita “memória”, quase tudo que escrevi dava para tirar dos resultados.

  5. Iara Scarpelli
    9 de setembro de 2012

    Nós também ficamos inconformados , uma vez que tínhamos certeza que com tantos na final o Pinheiros seria , sem chances de erro, o grande campeão!

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Iara, cuidado, se você passar hoje no Curitibano perigas resolverem te bater! haha

  6. Fernando Magalhães
    9 de setembro de 2012

    Lembro de tudo com detalhes. Chegamos ao Avenida Palace das eliminatórias, almoçamos, fiz uma re-raspagem e deitei para dormir. Levantei num nível de entusiasmo absurdo, era uma competição mágica para mim e toda a equipe do Curitibano. Naquela tarde eu iria defender meu título dos 50 livre conquistado em 88. Além disso, havia ganho duas das três últimas edições da prova no Troféu Brasil, ambas nadando na raia 2. Só que em nenhuma delas eu havia passado de um bronze nos 100 livre e dessa vez era o recordista nacional e medalha de ouro na distância. Era a coincidência de mais uma vez estar na 2 e muita confiança. Desci as escadas do hotel correndo e alguém me pediu para entrar numa sala. Não entendi quando vi toda a equipe sentada lá quando a hora era de ir pro Internacional competir.

    A notícia de que não haveria competição foi um choque. Lembrei na hora de um torneio regional em Ponta Grossa, quando era infantil e havia um surto de meningite na cidade. Fomos com a recomendação de não morder o sanduíche, não tomar do mesmo copo ou canudo dos amigos e só… a competição aconteceu. Além disso, haviam várias delegações no hotel, inclusive a do Minas. Já sabíamos do caso há dois dias e se ali, no ambiente fechado não havia a preocupação, porque temer uma competição em ambiente aberto. Na verdade, eram tentativas vãs de contestar a decisão e um desespero (sem exagero) de tentar reverter aquela realidade… “que adiem para o dia seguinte, mas eu quero nadar”. Não houve jeito, fomos passear no shopping e o Finkel não acabou.

    Voltando aos 50 livre, quando falei com o Jorge (o campeoníssimo Fernandes) meses depois, ele me disse que nunca havia se sentido tão bem pros 50 livre. Tite também. Gustavo e JR estavam claramente muito fortes e é impossível afirmar o que aconteceria.

    Sobre a disputa pelo título, o 3o dia de competição era o 3o dia em que o CC tinha menos finalistas dentre os 4 postulantes ao título. As coisas estavam dando muito certo para nós e estávamos muito confiantes na vitória.

    Sobre disputas posteriores, no Troféu Brasil seguinte disputado no Ibirapuera, o Curitibano disputou de igual para igual com o Minas, mas a bonificação do recorde sulamericano da Monica Rezende nos 200 costas nos tirou o sonho do título. Flamengo ficou em 3o e Pinheiros em 4o.

    Depois disso, Ramalho e Michelena se transferiram e disputaram o Finkel de 90 pelo Flamengo e o escriba está certo, nunca mais o Curitibano disputou um título por equipes.

    Valeu Cordani pela lembrança e obrigado pela publicação da foto. Deixo minha homenagem a equipe líder do Finkel de 89: Técnico Leonardo Del Vescovo e atletas Katia Ruschel, Celeste Moro, Renata Carneiro, Marta e Esther Marina Bonk, Ana Julia Borell, Patricia Koglin, Roberta Storelli, Monica Castro, Roberta Ramalho, Vanessa Cabrini, Alessandra Batista, Yasodara Magalhães, Márcia Rezende, Rogério Carvalho Filho, Luciano Cabrine, Fernando Takemura, Sandro Ruppel, Paulo Nascimento, Guilherme Sabóia, Carlos Becker Neto, Juliano Almeida, Harry Westphal Jr, Cezar Antunes, Luis Guernieri, Ismail Sabedotti, Frederico Lacerda, Renato Leal, Luiz Alfredo Mader, Cristiano e Leonardo Michelena e Renato Ramalho.

    • Anônimo
      10 de setembro de 2012

      Magalhães me esqueceu… Mas eu estava lá. Lembro de achar que poderia levar um bronze naquele 100 costas…
      E gostaria de ressaltar que tanto Flamengo quanto Minas concordaram em declarar o Clube Curitibano como campeão, o que só não foi homologado devido a recusado Pinheiros (em 4o lugar) em reconhecer aquele título.
      Talvez este blog possa reparar tal erro…

      Abs
      Cheiroso, o moleque naquele 100costas!!

      • Fernando Magalhães
        10 de setembro de 2012

        Cheiro, me perdoe, lógico que lembrei mas na velocidade da digitação acabou passando. Assim como o Tite, que foi mencionado no texto, mas não em minha homenagem.

    • Ana Julia von Borell du Vernay Farnça
      10 de setembro de 2012

      Competição inesquecível!! Revezamento 4X100 livre que fomos campeãs!!! Equipe líder do Clube Curitibano bela homenagem.

      • rcordani
        10 de setembro de 2012

        De fato inesquecível Ana Julia.

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Esmaga, excelente complemento ao post, não obstante já termos discutido diversas vezes o assunto sempre sobra alguma coisa. Segundo a notícia do Everton Domingues no 4 bordas, já havia suspeita mas a confirmação da doença só veio no domingo, por isso o inacreditável cancelamento.

  7. Daniel Takata
    10 de setembro de 2012

    Demais!! Me delicio com essas histórias!

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Obrigado Daniel. Você estava nessa?

      • Daniel Takata
        11 de setembro de 2012

        Infelizmente não, sou de outra geração, só fui nadar Finkel em 1997. Esse texto ajudou a tirar a névoa das histórias nebulosas que eu ouvia sobre o famoso Finkel que não terminou. Parabéns!

      • Daniel Takata
        13 de setembro de 2012

        Mas se estivesse lá, certamente teria soltado de manhã!

  8. Lelo Menezes
    10 de setembro de 2012

    Renato, uma duvida! Nos (CPM) estávamos na final do 4x100m Medley?

    • Fernando Magalhães
      10 de setembro de 2012

      Lelo, os revezas eram disputados em “final por tempo”. Certamente havia uma equipe do CPM na disputa.

      • Lelo Menezes
        10 de setembro de 2012

        Valeu Esmaga! Eu nao lembrava de ter nadado as eliminatórias!

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Lelo, o nosso reveza era favoritíssimo ao ouro! Eu de costas, você de peito, Grangeiro de borbola e Luís Pinho (Salsicha) de crawl! Estávamos escondendo o jogo durante toda a competição, pena que nos tiraram esse ouro certo!

      • Lelo Menezes
        11 de setembro de 2012

        Sem duvida! O senhor fez 1’05 em 2012 beirando os 50 anos. Imagino que entregaria pra mim um pouco a frente do Romero e do Banana. Eu ia estender a vantagem. O Grangeiro iria manter a liderança e o Salsicha só precisaria segurar os PEBAs Gustavo Borges, Esmaga e Jorge Fernandes. Pensando bem o ouro era uma barbada mesmo! Alias, com 2 finalistas nos 200m peito, 3 nos 400m livre e esse claríssimo ouro nos 4x100m Medley, provavelmente com recorde sul-americano, já nao tenho tanta certeza se o título do Finkel ficaria mesmo entre o Curitibano, o Minas, o Flamengo e o ECP!

  9. Anna Paula Fumis Campos
    10 de setembro de 2012

    A Anna Paula Fumis não gostou, não! Fiquei super frustrada, pois estava tendo uma das melhores competições da minha vida! Melhorei muito todos os tempos, e por isso mesmo estava em duas finais “A”. Nem eu tava acreditando! em Finkel e Troféu Brasil, final “A” tinha quase gosto de medalha prá mim, e nos 400 era raridade! Tinha certeza que nadaria bem à tarde, confirmando novos bons tempos. Além disso, a disputa pelo Campeonato estava muito boa e o Alberto tinha feito uma daquelas reuniões malucas motivacionais cheia de berros, gritos, o rosto dele vermelho, essas coisas que sabemos bem… Smaga, matematicamente a vitória era nossa! Aliás, fomos campeões morais, rsrsrsrs.

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Boa Tulipa, se você quiser eu marco um tempo seu lá no CAP nessas duas provas com 30min de descanso e posto aqui!

  10. Alvaro Pires
    10 de setembro de 2012

    Jah q passou tanto tempo … q eu me lembre teve uma despedida de solteiro a noite de um atleta 3X olimpico na Pink Panther !!!! Ateh as mulheres foram e os q nao tinham 18 anos (eu inclusive) falsificaram suas identidades p conseguir entrar na casa de familia. Bom eh o q dah p contar !

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Opa, tri-olímpico presente em 1989 só tem um…

  11. rcordani
    10 de setembro de 2012

    Obrigado a todos pelos comentários, estou viajando hoje, mais tarde volto para comentar com calma. Ler os comentários de vocês está tão legal quanto escrever o texto acima, totalmente viagem no tempo!

  12. Rosely de Souza
    10 de setembro de 2012

    Adoro relembrar esta parte da história da vida de cada um de nós. Aprendi que o tempo não espera por ninguém o importante é valorizar cada momento que a gente tem. E isto é o que vocês fazem com alegria no blog.

    • rcordani
      10 de setembro de 2012

      Obrigado Rosely. Podes crer que escrever o blog tem sido muito legal!

  13. Ana
    11 de setembro de 2012

    A Ana Catarina tambem nao gostou nada ja que classificou em primeiro nos 100 de costas!
    Nos 50 livre tambem estava nas finais… O melhor e que a Luciane do MTC que estava com a suspeita de meningite, no final nao estava doente e ficou melhor nos proximos dias que seguiram. Foi um FInckel muito bacana!
    Saudacoes a todos!

    • rcordani
      11 de setembro de 2012

      Valeu Ana, então no fim era só suspeita de meningite?

  14. LAM
    11 de setembro de 2012

    Qual é a novidade no “soltou de manhã” ? Galera da MdP nunca nadava forte na eliminatória.

  15. Raul
    11 de setembro de 2012

    Que post lindo! Mandou bem demais.

  16. Luiz Alfredo Mader
    12 de setembro de 2012

    Fanfarrão não, realista…
    falo por mim, eu estava naquela tarde em Santos para ganhar, para valorizar esta minha única vitória eu tinha oito adversários naquela final, além de Bicudo, Batatinha, Louva-Deus, Formigão, Vicentão, Puta-que-o-juveniles, Jesus Cristo e aquele amigo magrelo do Louva-Deus, ainda tinha que bater o melhor tempo da vida do Kaminski, apenas 20 centésimos melhor do que eu havia feito “na boa” de manhã.
    Fora isso o CC ganhou aquela competição, e também ganharia se houvessem as finais a tarde.

    • rcordani
      17 de setembro de 2012

      O papel aceita tudo… eu faria isso, eu faria aquilo, o clube ganharia aquilo outro…

  17. Cristiano Augusto Ganz Viotti de Azevedo
    17 de setembro de 2012

    Sensacional a lembrança. O mais importante: Luciana não teve problemas após o diagnóstico e está muito bem hoje. Quanto aos resultados, embora a piscina tenha sido medida e remedida, ainda acho que tinha uns 24, 5 metros, no máximo, rsrsr.. todo mundo fez os melhores tempos de suas vidas. Ficamos no hotel, aguardando a decisão da CBDA e, no meu caso, com um gosto amargo de não ter a oportunidade de nadar a final dos 100 costas junto com esses monstros da natação brasileira. Abraços! Cordani, voce já tentou convidar o Paulo Fernando Almeida para esse blog? O cara é outra memória previlegiada, lembra de tudo o danado!

    • rcordani
      17 de setembro de 2012

      Grande abraço Cristiano! Já temos comentários de ao menos um homem e uma mulher de cada clube na disputa por equipes (só faltando uma moça do Flamengo). Seria legal se a CBDA convocasse todos os que estavam na lista para uma final daqui a 6 meses e todo mundo tivesse que treinar, valendo medalha de Finkel! Ia ser um barato! Claro, a pizza no final seria o melhor de tudo!

      • Alexandre Hermeto
        28 de setembro de 2012

        6 meses nada, eu preciso de uns 2 anos de treino só p/ terminar a prova! Rsrsrs

  18. David Castro
    25 de setembro de 2012

    Natação dos anos 80…atletas de garra, de raça e humildes,aliado hoje a uma natação composta de nadadores(andrógenos e cyborgs) , de atletas pré-fabricados em laboratórios , onde comumente vemos suspeitas de doping na natação o que traduz em vergonha á natação do Brasil, onde o amor á natação, a natação arte e o glamour deixaram de existir a partir da década de 90 em seu início,humildade e simplicidade deixaram de ser caracteríticas dos atletas, onde a palavra soberba, prepotência e desentendimentos fúteis tornaram-se matéria de artigos de natação,técnicos antigos totalmente desprezados em preferência de técnicos dessa atual geração totalmente desprovidos de técnicas que por mais antigas que sejam sempre deram resultados,sunguinhas descaracterizando a modalidade em pró de resultados que nem condiz com a performance dos atletas por se tratar de enganar o tempo, funcionando como mola propulsora a grandes resultados, mesmo afastado do esporte vejo com desdém e nojo essa geração atual e guardo na memória a geração que fiz parte e que suava sangue para se dedicar a bons resultados e treinos, em breve estarei lançando meu livro contando competições e bastidores de campeonatos, é só aguardar.
    Abs
    David Castro

    • rcordani
      25 de setembro de 2012

      David, eu penso que em todas as épocas teve gente humilde e gente arrogante, pessoalmente não acho que “na nossa época todo mundo era legal” e “hoje em dia todo mundo é babaca”. No mais, também tenho saudade daquela época! Abraços

      • David
        25 de setembro de 2012

        Bem…cada um tem seu ponto de vista e esse é o meu ponto de vista e não irei mudar de opinião, se as pessoas concordam ou não paciência…vivemos eu acredito em uma democracia ! e respeito as opiniões diferentes e diversas.
        Abs

      • rcordani
        25 de setembro de 2012

        Bom te ver por aqui, volte sempre.

      • David
        25 de setembro de 2012

        Obrigado…muito interessante seu blog que me indicaram, lembrei de bons momentos…até qualquer dia no futuro !

    • Rossa
      8 de maio de 2013

      David. Vc treinou no Espéria na década de 80?

      • rcordani
        8 de maio de 2013

        Ele mesmo Rossa.

  19. Vicente
    11 de outubro de 2012

    Cordani, excelente lembrança!!! A final dos 200 peito ia realmente ser muito interessante!!!

    • rcordani
      11 de outubro de 2012

      Hehe, mais um que soltou de manhã…

      Precisamos de um tira-teima urgente nessa prova!

  20. David Castro
    1 de novembro de 2012

    Fato deveras curioso…escrevendo meu livro ,coletando dados ,tenho fatos bem inusitados desse Finkel que será contado em detalhes no livro, convém ressaltar que o Paineiras na ocasião recebeu em meados de 1989 toda a equipe do Paulistano, unindo assim a qualidade dos atletas do paulistano e a quantidade dos atletas do paineiras,havia bons valores individuais no Paineiras certamente,mas nada comparável ao paulistano, nisso acabou tornando-se no geral uma equipe forte nota 6,infelizmente durou pouco tempo com a famosa debandada em meados de 1990 como era de se esperar pela nova filosofia do clube, mas apesar de pouco tempo, certamente há bons momentos,mas nada de excepcional, ao menos para mim, um fato também curioso é a hipotética formação dos finalistas da prova do Finkel que não terminou,achei desafiador e muito divertida a idéia de se refazer a prova, eu pessoalmente se ocorresse a prova, só necessitaria de 4 meses para fazer “o tempo” , graças a Deus ,parado ainda mantenho uma grande forma física pois ao contrário de muitos ex-atletas tomadores de chopps barrigudos, me conservo bem como um ex atleta olímpico ,o qual sempre me posicionei a todas as turmas de nadadores que ministrei e á palestras motivacionais ressalto sempre a importância de ser sempre um atleta íntegro e saudável a vida toda dando exemplo a novas gerações.
    Com minhas cordiais saudações,
    David

    • Anônimo
      3 de novembro de 2012

      Este ano houve um desafio de 400 Li que foi narrado em detalhes neste blog, por que vc não aproveita o embalo e desafia alguém dando data hora e local?

      • David
        3 de novembro de 2012

        Antes de mais nada ANONIMO deveria se apresentar,coisa feia não ?? deveria dizer quem é,quanto ao desafio ninguém estaria APTO e em condições de no mínimo aceitáveis o suficiente a encarar,isso é fato e realidade .Dá próxima vez indetifique-se colega !

      • LAM
        3 de novembro de 2012

        Você pode aproveitar que ainda está em forma e participar das competições de master como alguns PEBAs barrigudos fazem.

    • David
      3 de novembro de 2012

      Vou pensar com carinho em seu conselho LAM !

    • rcordani
      4 de novembro de 2012

      David, um grande aprendizado da nossa carreira de nadador é que a atividade física não deve cessar nunca. Parabéns por conseguir isso, nem todos conseguem!

  21. David
    3 de novembro de 2012

    Vou pensar com carinho em seu conselho LAM !

  22. Pingback: 12 Aforismos PEBichurísticos para o Fim de Ano | Epichurus

  23. Pingback: Patrícia Amorim: a nadadora. Epílogo Parte II | Epichurus

  24. Pingback: Finkel 1990: o ponto de inflexão da natação brasileira! | Epichurus

  25. Pingback: Retrospectiva de um ano de Epichurus | Epichurus

  26. Pingback: Ao meu irmão e ídolo maior Henrique, com um grande abraço. Ou: sim, você ganhou! « Epichurus

  27. Pingback: Meus 400 medley: do nada para lugar nenhum (mas com algum recheio) « Epichurus

  28. Pingback: Cenas do próximo capítulo – o Finkel de 1993. « Epichurus

  29. Pingback: 100 | Epichurus

  30. Pingback: Gustavo Borges e o caminho da prata | Epichurus

  31. Pingback: A despedida | Epichurus

  32. Pingback: Finkel 1989 – muito além da meningite | Epichurus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 8 de setembro de 2012 por em Natação e marcado .
Follow Epichurus on WordPress.com
setembro 2012
S T Q Q S S D
« ago   out »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
%d blogueiros gostam disto: